Inaugurou no dia 11 de julho, no Museu Gulbenkian a exposição Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho dedicada a uma mulher ímpar na arte e na sociedade portuguesa. A sua obra reflete uma identidade criativa particular e a singularidade da sua vida.

Na Galeria do Museu Gulbenkian sentiu-se a arte e a cultura popular do Minho, que serviu de fonte de inspiração da artista, na região onde passou a infância. Neste ambiente repleto de arte, dedicado a esta mulher forte e independente, foi também possível apreciar as peças de ourivesaria popular da coleção privada da Tavares – uma coleção construída ao longo de décadas e que orgulhosamente a Tavares vê expostas em paralelo com as obras de Sarah Affonso.

Esta belíssima exposição onde ressalta a cor azul cobalto, apresenta obras de pintura, desenho, bordado, cerâmica e ourivesaria, inspiradas na iconografia popular do Minho. Foi em elementos desta região, onde viveu até aos 15 anos de idade, que Sarah Affonso encontrou a inspiração para grande parte da sua obra.

A Tavares – com quase cem anos de existência – associou-se assim a mais um momento de valorização da história, da arte e das memórias que fazem parte do legado do nosso país. Orgulhosamente disponibilizou ao Museu peças de ourivesaria, do espólio da Casa Tavares, com características únicas e particularidades representativas de uma cultura e de uma época.

Sarah Affonso é assim evocada através da beleza da sua obra e de valores eternos, que fazem parte das nossas memórias e da nossa história e que acompanham a obra desta mulher, que marcou uma época e levou com ela – dentro e fora de fronteiras – toda uma inspiração, representativa da cultura do Minho.

Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho estará patente até ao dia 7 de outubro na Galeria do Museu Calouste Gulbenkian.