A Esfera do Recomeço

A Esfera do Recomeço

Sei que seria possível construir a forma justa

De uma cidade humana que fosse

Fiel à perfeição do universo

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco

E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo

(Sophia de Mello Breyner Andresen, in “O Nome das Coisas”)

Actualmente, a paisagem no Baixo Alentejo é marcada pela predominância da oliveira. De aspecto árido, associamo-la ao clima quente e à secura do sul de Portugal. Quase esquecemos que durante o Verão ela se adorna com pequenas flores esbranquiçadas, de quatro pétalas. Chegam depois os seus frutos – as azeitonas – a partir dos quais é produzido o azeite. Tratando-se de um clássico na culinária, o azeite foi usado como medicamento e como fonte de luz artificial. A história da oliveira perde-se no tempo sendo sabido que esta foi sempre associada à sua utilidade: para além da riqueza dos seus frutos, a robustez e a maciez da sua madeira tornaram-na preferida pelos artesãos e as características minerais e antioxidantes das suas folhas conferiram-lhe qualidades terapêuticas. Na Grécia, a oliveira era considerada uma dádiva da deusa Atena e um símbolo de liberdade e de pureza. Por isso, faziam-se coroas e grinaldas com os seus ramos que eram oferecidas aos atletas vencedores nos jogos gregos. Segundo a mitologia grega a oliveira nasceu como resultado de uma disputa entre Poseidon, o deus dos mares, e Atena, a deusa da sabedoria. Ambos queriam ser os guardiões de uma cidade que estava prestes a ser fundada. Zeus decidiu que a guarda da cidade seria atribuída a quem concebesse a invenção mais profícua para os seus habitantes. Poseidon criou o cavalo – para facilitar os trabalhos agrícolas e o transporte – e Atena criou a oliveira – árvore de estatura média, aparentemente delicada, mas com madeira, folhas e frutos valiosos. Diz-se que Zeus ficou tão impressionado com a oliveira que atribuiu o nome de Atenas à nova cidade.

Para além do seu simbolismo pagão, a oliveira ganhou também uma dimensão transcendente, espiritual. É citada em várias passagens da Bíblia como símbolo de abundância, glória, paz e sabedoria. Refira-se, a título de exemplo, a passagem sobre a arca de Noé, onde a oliveira representa o fim do dilúvio e o início de um novo tempo para a humanidade.

Apaixonado por esta misticidade e ciente de que as jóias marcam momentos especiais da vida, fazem parte de conquistas e de comemorações e compõem uma história única e diferente na relação com o seu possuinte – algumas até se tornam amuletos -, o Instituto Politécnico de Beja lançou o repto à Tavares para criar uma peça – um objecto de merchandising de relevo – que conjugasse a simbologia da oliveira, aliada à representação do perfume, permitindo envolver nesta relação única, o Perfume IPBeja, um elemento identitário desta instituição de ensino superior, criado em 2018. A Tavares retorquiu, inspirada na memória de um objecto de joalharia, usado como adorno, cuja história se pede no tempo – o pomander (“pomme de ambre”, na sua forma original), traduzido como “maçã dourada” ou “maçã perfumada”. Para muitos, a forma mais antiga de aromaterapia. Este objecto em forma de bola era cheio de ervas, misturadas com óleos perfumados e colocado especialmente perto da bainha dos vestidos. Ao caminhar, o perfume libertado deixava um rasto de sedução. Eram feitos, em particular, em metal nobre – ouro ou prata – e presos por correntes. Os pomanders sobreviveram até aos dias de hoje, reinventados com outros materiais, mas sempre com o fim de espalhar bons cheiros e boas energias. Era, afinal, o que se pretendia. Aliado ao facto de partilharmos que o princípio de todas as coisas está no seu fim, chamamos-lhe a Esfera do Recomeço – uma peça artesanal, feita em prata de 0,925, com peso aproximado de 35 g, devidamente contrastada, numerada e acompanhada por um certificado de autenticidade. É construída com folhas de oliveira, que se abraçam, adornada com minúsculas bolas de prata que representam os seus frutos, alinhadas, configurando o logotipo do Instituto Politécnico de Beja. Dentro dela está uma pequena bola de madeira de oliveira, impregnada com o Perfume IPBeja, o que a torna uma peça difusora de perfume, um perfumador.

Numa altura de comemorações, esta é mais uma forma de assinalar os 40 anos do Instituto Politécnico de Beja, celebrados no dia 5 de Novembro de 2019. É também o momento exacto para fazer uma associação entre duas criações muito especiais, que fazem parte da nossa história.

Outras Notícias

Loja Online

Medalha ouro

Medalha aloquete ouro amarelo 19,2Kt com zircónias e peso aproximado 0,7g e altura 1,5cm. Combina com malha de cadeado https://www.ourivesariatavares.pt/produto/volta-ouro/

Anel prata

TI SENTO – Milano Anel 12177TQ em prata de lei banhada a ródio com turquesas

Esc.908

Escrava Goris em filigrana de ouro amarelo com 21,3g

PARTILHAR ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

NEWSLETTER

Subscreva a nossa newsletter para estar a par de todas novidades


PORTES GRÁTIS

Válido para Portugal Continental e Ilhas.

Visite a nossa loja on-line e faça as suas compras connosco, aproveitando os portes gratuitos. Sem valor mínimo, ou condições, esta é uma campanha única e acumulável com outras em vigor.

PORTES GRÁTIS

Válido para Portugal Continental e Ilhas.

Visite a nossa loja on-line e faça as suas compras connosco, aproveitando os portes gratuitos. Sem valor mínimo, ou condições, esta é uma campanha única e acumulável com outras em vigor.

OURIVESARIA TAVARES
UM VALOR ETERNO